Para abrir as Postagens é só clicar. nos Temas

sábado, novembro 22, 2014

BREVE ESTATÍSTICAS DAS RELIGIÕES NO MUNDO

As Religiões no Mundo Ultrapassam os 10 mil
O Boletim Internacional de Pesquisa Missionária, preparado por David Barrett, lança um olhar detalhado sobre a situação religiosa no mundo a cada ano. Barret se especializou em analisar dados sobre as religiões do mundo, em especial do trabalho missionário cristão.
Embora saibam que é impossível ter precisão absoluta, Barrett mantém um banco de dados atualizado e fazem projeções usando a metodologia de especialistas em estatística.
A religião cristã, por exemplo, era praticamente fixa no século XX. Havia apenas 558 milhões de cristãos no mundo em 1900. Em contraste, chegamos a cerca de 2 bilhões de cristãos na metade de 2012. Em 112 anos o número de cristãos aumentou consideravelmente
No entanto, se considerarmos a porcentagem da população mundial, o cristianismo perdeu terreno.
No início do século passado os cristãos eram 34,5% da população mundial, mas apenas 33,1% agora.
Metade dos 2 bilhões de cristãos no mundo são católicos.
O segundo maior “megabloco” são os cristãos afiliados a “igrejas independentes”, que têm cerca de 400 milhões de membros. Ou seja, quase o dobro dos 217 milhões de fiéis ortodoxos em todo o mundo.
Barrett contabilizou 350 milhões de protestantes, divididos em centenas de denominações e mais 80 milhões pertencestes à comunhão Anglicana, que para muitos são um híbrido de católicos e protestantes. A tendência é que as posições desses “megablocos” dentro cristianismo mundial permaneça constante ao longo dos próximos vinte anos.
O que mais chama atenção é como a vida cristã mudou radicalmente no século XX.
Os cristãos reuniam-se em 400 000 congregações em 1900.
Hoje, podem ser encontrados cerca de 3,5 milhões de templos em todo o mundo.
Em 1900 havia 300 000 livros publicados sobre o cristianismo.
Em 2012, chegaremos a 5,1 milhões de títulos relacionados ao tema.
Os 3500 revistas cristãs publicadas em 1900 são uma pequena fração das 35 000 publicações cristãs impressas que circulam hoje. Em 2002, a previsão é que o número de Bíblias distribuídas seria dez vezes maior que em 1900. Em um século passamos de 5.5 milhões para 59 milhões de exemplares anuais das Escrituras ou de parte delas.
Talvez o mais surpreendente seja o número de denominações cristãs, era 1.900 um século atrás, e agora chegam a 35.500. O cristianismo tornou-se muito mais um fenômeno urbano do século 20. Em 1900, apenas 28% dos cristãos do mundo viviam em cidades. Este ano, mais de 58% da população cristã vive em áreas urbanas.
A revolução das comunicações também teve um impacto dramático sobre a vida cristã. Em 1970, as organizações cristãs utilizam cerca de 1000 computadores. Hoje são 332 milhões de computadores.
Atualmente, 2,5 bilhões de pessoas assistem e ouvem programas cristãos de rádio e TV todo mês, um número que deverá subir em 2025 para 3,8 bilhões. Trinta anos atrás, apenas 750 milhões tinham acesso a programas cristãos. Isso sem contar a internet, cuja audiência não pode ser medida.
Mesmo assim, o Islã é a religião que mais cresce no mundo hoje. Dos 200 milhões de seguidores em 1900, os muçulmanos cresceram mais de 500% durante o século 20.
As mudanças demográficas nos últimos trinta anos chama a atenção. Em 1970, havia 554 milhões de muçulmanos no mundo e 666 milhões de católicos. No ano 2000, o Islã chegou a 1,2 bilhão de seguidores, enquanto o catolicismo contabilizava 1,1 bilhão. Isso significa que, em 2025, devemos ter 1,3 bilhão de católicos em um mundo habitado por 1,8 bilhão de muçulmanos.
O total do que Barrett chama de “religiões diferentes” cresceu de 1000, no ano de 1900, para 10 500 hoje, e deve chegar a 15 000 nos próximos 25 anos. Embora este crescimento pareça absurdo, o surgimento das novas religiões mostra que o mundo moderno não é tão ateu nem rejeita tanto assim a religiosidade quanto se pensa.
Essas novas religiões misturam elementos da fé de cristãos, budistas, hindus, muçulmanos e outras menos expressivas. Por exemplo, a Dai Viet Nam mistura budismo, confucionismo e taoísmo, usando ao mesmo tempo a Bíblia e o Alcorão, e tendo um líder com status de “Papa”. Outro exemplo são os muçulmanos Ahmadi, os quais afirmam que Jesus escapou da cruz e morreu na Índia com 120 anos.
Traduzido e adaptado de Cristianos.com


terça-feira, novembro 18, 2014

HOMILIA CATÓLICA

Das diversas formas de pregações conhecida no mundo evangélico, conhecemos as mais variadas formas de sermões. Mas poucos têm conhecimento da pregação chamada Homilia por ser uma forma de pregação da Igreja Católica Romana e de algumas outras. Esta Homilia foi gravada em uma Missa de Domingo e transcrita de forma sucinta com as palavras do frei.  Boa leitura!
5.5.3 Definição de Homilia.
“[Do gr. homilía, 'reunião', 'conversação familiar', e este do gr. homós, 'semelhante', 'igual', + gr. íle, 'grupo', 'companhia'.]”. Pregação em estilo familiar e quase coloquial sobre o Evangelho: Discurso que afeta moral exagerada. [F. paral.: homília”.]”. (FERREIRA, 2009, Dicionário Eletrônico).
A palavra homilia não é comumente usada nas igrejas cristãs, se bem que o seu estilo é semelhante a uma pregação Textual. “A homilia é a explicação do texto, versículo por versículo” e o pregador a seguir faz a sua explicação na sequência dos versículos lidos. “É da homilia que a Homilética recebe seu nome, a homilia, porém, é bem anterior a Crisóstomo, falecido em 407. A homilia já existia no tempo de Justino (falecido entre 163 e 167)”. (KIRST, 1985, p. 83, 84).
O que nos chama a atenção sobre a homilia é pelo fato de ela se manter com as mesmas características desde os tempos remotos da sua criação. Segundo Crane (1989, p. 81) dos “diferentes tipos de discurso cristão, a homilia é o mais antigo”. De sua história sabemos que ela era praticada muito cedo entre os judeus nos trabalhos das sinagogas:
Havia prevalecido entre os judeus a prática de explicar em forma popular as lições da Escritura que se lia nas sinagogas, e desde muito cedo essa prática foi adotada pelas congregações cristãs. Os discursos que se empregavam para esse fim eram de caráter muito simples; porém, com exceção daqueles atribuídos a Hipólito, não temos nenhum exemplo desse tipo de composição que seja mais antigo do que as homilias de Orígines, as quais datam do século terceiro. Tomando-as como modelo, podemos descrever a homilia cristã primitiva como uma exposição popular de alguma porção da Escritura, acompanhada de reflexões morais. Distingue-se do sermão, cuja forma reflete a influência da retórica das escolas, que segue a ordem do texto ou da narração bíblica, em vez de seguir o estilo de um discurso retórico ou de um ensaio didático. (CRANE, 1989, p. 81).
5.5.4 Método de Pregação Homilia – Católica Romana.
A Igreja Católica Romana de São Bernardo do Campo, São Paulo apresentou através do frei Sebastião Benito Quaglio, duas homilias, nós tomamos uma para usá-la em nossa pesquisa para comparação com a Pregação Pentecostal de Improviso.
Bini comenta como se processa a homilia pregada aos fiéis católicos romanos, e a sua forma de aplicação aos ouvintes. “Depois de falar pelas palavras dos profetas, dos apóstolos e de Jesus Cristo, Deus fala pelas palavras do padre que explica as leituras”. “Sentados, os fiéis escutam com espírito de fé as palavras do padre, que os ajuda a aplicarem a si mesmos a mensagem de Deus”. (BINI, 1966, p.104).
Quanto ao estilo de entregar a homilia foi coloquial, pregada num período de vinte minutos dentro das normas homiléticas que se requer a prática correta da exposição da homilia. Frei Sebastião Benito Quaglio foi simpático o tempo todo da sua apresentação, sua mensagem foi de boa qualidade, a explicação da homilia convenceu pela forma de exposição, não fugiu a regra, permaneceu nos textos lidos apresentando-os na forma que já era esperado de uma homilia. Quanto à pregação de improviso temos que reconhecer que a homilia foi melhor independente do pregador, porque o propósito da homilia foi claro e objetivo, e todos puderam entendê-la até o seu desfecho.
5.5.5 Apresentação da Pregação de uma Homilia Católica Romana.
A homilia foi entregue a Igreja por ocasião de uma Missa de domingo à noite, dia 22/08/2010. Frei Sebastião Benito Quaglio é o responsável pela Igreja e foi o responsável pela pregação da homilia. O nível da Missa melhorou consideravelmente, porque passou por novas estruturas litúrgicas. Frei Sebastião Benito Quaglio é um homem muito sábio, carismático, muito simpático, todos o têm em grande estima. Pregou muito bem a sua homilia. O povo católico é muito querido por nós, fomos bem recebidos em sua Igreja.
ü Textos da Pregação da Homilia: Salmo. 116 (117); Isaías. 66.18-21; Lucas. 13: 22-30 e Hebreus. 12:5-7.11-13.
Transcrevemos a homilia do áudio para a escrita de forma sucinta e procuramos usar também as próprias palavras do frei Sebastião Benito Quaglio. Como já era de se esperar sua homilia foi transmitida numa linguagem coloquial, da mesma forma que deve ser passada aos fieis católicos da sua igreja.
Frei Sebastião Benito Quaglio após a saudar a Igreja, tranquilamente faz a leitura juntamente com os fiéis, que permanecem assentados com muita reverência e atenção.
A seguir ele diz: Palavra de Deus. Temos quatro leituras, o Salmo é considerado uma leitura, o mais curto o 116 mostra que o louvor é para Deus espalhado sobre toda a terra.
A primeira leitura, uma leitura que inspira coragem e esperança parece um rio de gente, que caminha para glória, quer dizer que no céu tem lugar para todos. A primeira leitura sobre a esperança é muito significativa, de esperança porque estavam voltando do exílio, uma terra destruída campos abandonados, uma cidade destruída.
Portanto, tinham que começar tudo de novo, que tipo de esperança? A esperança veio de uma corrida tensiosa. Você sabe o que reside nessa pessoa? O desânimo, o desânimo arrasa uma pessoa, você gostaria de morar com uma pessoa desanimada? Agora para encontrar ânimo, o que precisa? Esquecer os problemas? Nós temos que marcar a nossa sociedade com a esperança, se não o pessimismo toma conta da gente e a pessoa acaba se isolando, hoje em dia, se nota um isolamento cada vez mais numeroso no mundo. Porque a própria opção morar sozinho? Para não ter compromissos com ninguém, porque não quer se comprometer, e ao mesmo tempo sofre as consequências.
Hoje estamos em campanha eleitoral, à gente cobra continuamente, os políticos não prestam. Será que não tem ninguém correto? Eu acho que sim. (pausa). Você sabia que as orientações litúrgicas asseguram oração, da oração dos fiéis deveriam sempre ser pelas autoridades.
Parece para nós como lema, um jeito de desânimo, é isso que a Bíblia nos ensina? Eu diria hoje para os irmãos não continuar. Quem não sai da missa sorrindo, tem que voltar ainda até ser boa para mim.
E a segunda leitura, mostra a dinâmica sofredora de quem quer realmente caminhar para Deus, aqui você é o lutador, certo! Quando o certo não é dos que querem mandar, mas dos que querem ajudar.
E vamos lá ao Evangelho. Um fulano fez uma pergunta a Jesus. Que pergunta ele fez? É verdade que poucos se salvam? Ainda lhe deu uma condição, essa pergunta à gente faz sempre.
Na época de Jesus existia uma corrente, que dizia basta pertencer ao povo de Deus, ser circuncidado, basta ser judeu, que você é salvo, hoje, basta ser católico você é salvo, muitos pregam isso, se você não é dessa religião, você vai ficar aqui.
No século XVI, XVII, essas duas correntes eram tão fortes que quem pertencia a uma corrente mais larga Deus era misericordioso dava tudo. Faziam os crucifixos com Cristo com os braços abertos. Aqueles que diziam: Não! Não! A porta é apertada colocavam Cristo na cruz com os braços para cima. E hoje? Hoje ninguém diz mais nada, hoje é de dar susto mesmo, porque a coisa é seria.
Um pensamento que achei muito interessante. Quem de vocês já viajou de avião? Logo que o avião sobe o que acontece? Em caso de despressurização do ar caem às máscaras, se você tem uma criança ao seu lado qual é a sua reação? Colocar o oxigênio na criança, mas a aeromoça diz não! Primeiro coloca em você, e depois no outro por quê? Pode ser que você desmaie então você não salva a criança e nem você.
Em termos de salvação é um problema pessoal. Não adianta perguntar quantos se salvam. Deus quer que todos sejam salvos. Pedro então! Quem pode se salvar? E Jesus respondeu a Pedro. Para o homem é impossível, mas para Deus é possível.
Mateus completa essa história dizendo que têm duas estradas: uma larga e outra estreita. A maioria vai para a (pausa), mais larga, por quê? Porque é mais fácil. E o que acontece quando a pessoa vai para a estrada larga? A pessoa acha que a felicidade de quem escolhe a estrada larga perdura por muito tempo (pausa), não? No começo parece um paraíso, quantos males amargados, quantas tragédias consequência de tanta dor, quantas tragédias.
A misericórdia de Deus manda voltar, ai ele dá um jeitinho espiritual e entra pela porta estreita, mas uma vez entrado pela porta estreita, ela se alarga, e você sofre no começo, mas depois você se sente bem, sente paz, sente felicidade.
Então é o inverso. Jesus quer que todos que entram por essa porta larga, espaçosa, se sintam angustiados, apertados, como se disséssemos, não dava mais para continuar e volta e entra pela porta estreita.

Portanto, minha gente é preciso lutar, o Senhor é ao nosso lado. Vamos criar esse ambiente de confiança, de esperança, vamos ser firmes e fortes na formação, nunca vamos desanimar, vamos nesse caminho de Jesus Cristo. Amém! (Dissertação de Mestrado. Me. Expedito Darcy da Silva, 2013, p. 144, 145, 146).

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...